Cooperativa Escolar Rondinela realiza encontro virtual com familiares dos sócios fundadores
A Sicredi Região da Produção RS/SC/MG realizou na quinta-feira, 02/07, uma reunião virtual com familiares dos sócios fundadores da Cooperativa Escolar Rondinela.
Publicado em 07 de julho de 2020
Compartilhar
A- A A+

A Sicredi Região da Produção RS/SC/MG realizou na quinta-feira, 02/07, uma reunião virtual com familiares dos sócios fundadores da Cooperativa Escolar Rondinela. Além deles, participaram alguns sócios fundadores, a diretora da Escola Municipal Francisco Mariano Braga, Mari Angela da Silva Brancher, a professora orientadora da cooperativa Lidiane Perondi Poletti, as assessoras pedagógicas que orientam e acompanham as atividades, professoras Patricia Brum e Delci Bender, o presidente do Conselho de Administração da Sicredi Região da Produção, Saul João Rovadoscki, o diretor executivo, Marcos Dorigon, o gerente da agência de Rondinha, Ronaldo Rostirolla, toda equipe de colaboradores da agência, e  a assessora de relacionamento, Daniela Luft.

O encontro iniciou com uma fala de acolhimento da professora Lidiane, e seguiu com a saudação do presidente Saul, que explicou porque a Sicredi Região da Produção investe em ações sociais e projetos tão relevantes, como esta Cooperativa escolar. Para Saul, a cooperativa tem como missão buscar o desenvolvimento contínuo das pessoas, tanto no quadro de colaboradores, como de associados e, de modo geral, da comunidade onde possui área de atuação. “Esse movimento traz um orgulho e permite uma entrega significativa para o futuro do cooperativismo”, ressaltou.

O objetivo do encontro foi reforçado pela assessora Daniela: que os familiares dos jovens conhecessem as assessoras pedagógicas e entendessem ainda mais sobre o trabalho que foi e está sendo desenvolvido com os mesmos, nesse momento, virtualmente.

Após, a assessora Patricia Brum relatou acerca da importância desses movimentos para as comunidades. Ela relembrou que este trabalho foi iniciado no segundo semestre de 2019 em Rondinha, mas que a iniciativa já existe desde o início do século XX, sempre criada por várias mãos, com a participação ativa de jovens, gerando inovações e melhorias contínuas. “É um projeto extra curricular, que acontece no contra turno, onde os jovens se organizam para desenvolver as atividades a que se propõe no plano de trabalho – que é criado por eles. Mesmo com este cenário de pandemia, conseguimos manter algumas atividades e contatos de forma virtual”, explicou.


Objetivo do Programa

O objetivo do Programa das Cooperativas Escolares é ampliar as oportunidades para os jovens que participam, para que possam fazer as melhores escolhas possíveis e, acima de tudo, para que sejam felizes.

As competências trabalhadas nas oficinas são articuladas com os conteúdos científicos. Porém, é trabalhada a cidadania para que aprendam a usar o científico em benefício do outro. Uma competência que merece destaque, segundo a assessora, é a da criatividade: são feitas várias perguntas aos jovens, para que eles possam desenvolver o pensamento criativo, o empreendedorismo, além de colocar a criatividade em benefício de um ato empreendedor.

“Esse pensamento serve para que o jovem tenha um projeto de vida, para que se conecte com redes inspiradoras; para que sejam estudantes líderes e que tenham determinação e foco, não desistindo perante os obstáculos que se apresentam”, enfatizou Patrícia.

Desafio Coopes

Após, a membra da diretoria de comunicação da Rondinela, Marya Elyne Grossi Signor, foi convidada a explanar sobre o Desafio Coopes: um movimento criado devido ao cenário de isolamento social, que tem por objetivo promover a intercooperação entre Cooperativas Escolares para estimular o empreendedorismo social entre os associados por meio de desafios cooperativos mediados por tecnologia da informação e comunicação.

Marya contou um pouco sobre os desafios já realizados: apresentaram a cooperativa escolar, analisaram os problemas da comunidade de Rondinha, deixaram espaço para a comunidade votar através das redes sociais, e o tema a ser trabalhado mais votado foi o “Preconceito”.

O encontro foi encerrado com o depoimento do pai do sócio fundador Germano, Leori Luis Stivanin. “A iniciativa da criação da Rondinela partiu do Sicredi e, através do empenho dos professores da Escola Municipal Francisco Mariano Braga, se tronou realidade. Hoje, tanto a Sicredi quanto os professores que acompanham estão se surpreendendo com o desempenho dos jovens, pois assimilaram o objetivo e isto está sendo muito bom para todos nós, principalmente para quem participa e para a comunidade de Rondinha”, finalizou.



Fonte: Ascom Sicredi Região da Produção RS/SC/MG
Fotos
Comentários